Um zumbido

•19/12/2009 • 3 Comentários

É um zumbido que vem…

…vem…

…chega…

… … …

… mostra-se.

Uma curva suave causando arrepios…

Arrepios de dentro… Do som de fora…

É um zumbido que está…

Está…

Não se acaba…

Cria algo…

No que me expressar eu tenho…

Algo para inspirar no mais…

Isso é…

São coisas fundidas em outros sentidos…

Anúncios

Tempestade

•19/11/2009 • 2 Comentários

“O que é uma tempestade?

Quanto dura um  tempestade?

Um dia…

Dois dias…

Uma semana…

Absurdo…

Um mês…

Um ano…

O que a tempestade trás de bom?

O que você trás de bom?

Ou melhor…

O que criaste de bom após a tempestade?

Quanto tempo durou sua tempestade?

As mais longas trazem os bens mais precisos e as belezas mais admiráveis…

Pois foi por isso que um lugar chamado Terra passou bilhões de anos sob tormenta…

Assim surgiu o lugar mais belo que conhecemos…

E habitamos…”

Quem poderá amar mais?

•18/11/2009 • 4 Comentários

“Há alguns séculos nas planícies geladas do norte, um sábio havia perguntado ao seu discípulo:

– Qual coração poderá amar mais, o coração quente que bate firme no peito, ou um coração gélido sem vontade de viver?

O discípulo confuso responde apreensivo ao seu mestre:

-É claro que é o coração quente, aquele que bate firme no peito.

E o sábio mestre lhe faz outra pergunta:

-Quem é triste poderá amar?

Observando o rosto de seu discípulo confuso, o mestre afirma:

-Um coração, mesmo quando perde sua graça e vigor, ainda assim é um coração e possuiu a beleza de existir. Em meio ao inverno, as aves migram, as folhas morrem, os animais se escondem, o coração esfria, mas um dia chega a primavera e novas aves belas voltam para admirar novas flores nas árvores verdes e cumprimentar os belos animais que ali descansaram, e assim também o coração se aviva e passa a amar na mesma intensidade daquele que não conheceu o inverno…”

Henrique Rocha

E então, quem ama mais?

Fúria

•17/11/2009 • 1 Comentário

Vivo e me perco em um momento…

Eu não posso ver mais do que meus olhos permitem…

Eu não posso sentir mais que o meu coração pode…

Desconto a fúria justa no papel…

A realidade aparece…

Alguém fica triste com a verdade…

A verdade não é crua, muito menos nua…

A verdade é que os olhos não veêm mais do que podem…

E o coração só sente o que aguenta…

Porto

•15/11/2009 • 1 Comentário

Porto

O Sol vai se afastando…

Meu corpo transporta uma grande sombra…

A escuridão se manifesta mais forte…

A noite está chegando…

 

Na beira do mar…

Um porto sombrio…

Surgem coisas boas…

Podem surgir coisas boas…

 

A treva criativa, a treva de luz…

Há uma faísca roxa…

Há um brilho negro…

Surgem coisas…

Ondas sentimentais

•15/11/2009 • 2 Comentários

Espaço

Ondas que escuto no silêncio da alma

Se cala a minha voz

Nunca se cala meu sentimento

Escuto o som relaxante do esperar

 

Não sei ao certo

Mas espero

Eu quero uma luz no meio do túnel

O fim é onde tudo acaba

 

Vivo num lugar diferente

Um abraço expressa pouco e um beijo é vulgar

Um abraço expressa muito e mais nada é vulgar

Um abraço

 

Hoje não nego

Amanhã posso negar

Pode ser que hoje eu ame

Mas com certeza amanhã vou amar

Indefinição

•14/11/2009 • Deixe um comentário

Espaço

Vontade…

Vontade de andar pelo nada…

Andar pelo nada e enxergar tudo…

Enxergar o que vejo com os olhos…

E o que sinto no coração…


O sentir está indefinido.

É a saudade, é a vontade, é tristeza…

A luz no meio da escuridão.

O prazer de enxergar apenas o que s sente…